3 motivos para visitar a Renwick Gallery

A expo imperdível “No Spectators: The Art of Burning Man” ocupa toda a Renwick Gallery do Smithsonian American Art Museum em Washington DC até janeiro de 2019, reunindo as obras de larga escala que ocuparam edições do famoso festival no Black Rock Desert, no Nevada – e, seguindo a ideia do evento, encorajando o público a participar e fazer
parte das obras. Abaixo, três highlights.

No segundo andar, o Grand Salon foi transformado em um santuário envolto em painéis de madeira crua esculpida, com um candelabro central que desce até encontrar um altar. O primeiro templo que o escultor David Best fez para o Burning Man, em 2000, não tinha a intenção de ser um memorial, mas se tornou um quando um jovem artista com quem ele trabalhava morreu em um acidente de motocicleta semanas antes do evento.

“Truth is Beauty” é a segunda da série de três esculturas monumentais que compõem The Bliss Project, de Marco Cochrane. A obra, que retrata uma mulher, Deja Solis, expressando sua humanidade, tem 55 pés de altura e pode ser conferida ao vivo e a cores na expo.

No ano seguinte, pediram que ele construísse um templo para aquela edição, que se tornou um local para lamentar perdas e marcar transições. Desde então, o Burning Man tem construído um templo todos os anos, como uma de suas tradições. Ele é queimado de maneira cerimonial para marcar o término do evento. “O fogo pode curar, selar e proteger as coisas”, diz Best.

O californiano The Construction Zone nutre uma paixão pela geometria que se revela em peças de iluminação e design que provocam reflexões para o lar.Iniciada pelos artistas Yelena Filipchuk e Serge Beaulieu, a jornada da COZO começou como uma instalação de arte em grande escala conhecida como HYBYCOZO, que estreou em 2014 e desde então se expandiu para um grande corpo de trabalho exibido globalmente. Esta simbiose de arte e design permite que cada elemento se desenvolva em conjunto, alimentando-se uns aos outros com energia e inspiração ao mesmo tempo
em que permite que os trabalhos de escultura sejam dimensionados para eventos, galerias e instalações.

Patricia Castellar Pirozzi, empresária e coolhunting

Formada em Direito, Consultoria Empresarial, Visual Marketing, Desenvolvimento de Projetos e Cool Hunting, e pós graduada em Educação Executiva pelo IESE Business School, Patrícia atua há 32 anos no mercado de bem-estar e fitness, beleza e saúde com foco total em inovação, criatividade, novos negócios, gestão empresarial, atividade física integrada a pessoas com deficiência física, estudos de tendências, antroposofia e análise do comportamento do consumidor. Por aqui, vai desmistificar criatividade e inovação, e dividir suas dicas para transformar vontades em realizações.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *