Olhar não é ver

Alguns anos atrás, visitando a SP-Arte/Foto, feira que acontece anualmente em São Paulo e reúne galeristas especializados em fotografia, parei diante de uma dessas fotos que te puxam como um imã. Não era simplesmente o impacto visual da imagem ou o tamanho monumental em que foi impressa e emoldurada.

A foto, clicada pelo inglês Martin Parr, retrata a cena com a qual todos os turistas se deparam ao chegar à sala do Louvre onde se encontra a Mona Lisa: um aglomerado de espectadores que se esbarram ao redor do guarda-corpo que protege o quadro. Na foto de Parr, no entanto, o foco está nas mãos dos visitantes, erguidas no ar, segurando suas câmeras e celulares. Uma vez feito o disputado registro da obra prima de Leonardo, provavelmente seguirão para repetir a gincana com a Vênus de Milo e a Vitória de Samotrácia.

Parr – fotógrafo de profissão, antropólogo por vocação – vem há anos desenvolvendo projetos fotográficos que giram em torno de temas contemporâneos como o turismo e consumo de massa, entre outras disparidades do mundo moderno, sempre com um comentário irônico por trás de suas fotos bem-humoradas.

A cena registrada na foto não é fenômeno exclusivo do Louvre. Já estamos habituados a ver este tipo de comportamento em museus, shows, desfiles de moda e nas ruas das cidades mais turísticas do mundo: cliques e mais cliques, disparados com displicência por pessoas que parecem mais preocupadas em registrar as cenas do que observá-las com olhos nus.

Daí meu deleite ao cruzar recentemente a Golden Jubilee Bridge, em Londres, e ver alguém realmente empenhada em contemplar a paisagem, enquanto tantos outros olhavam o cartão postal londrino através de telas de três polegadas e seguiam apressados para o próximo destino a ser clicado.

Olhar não é ver. Fotografar, muito menos.

unique-fashion-closet-marcelo-salvador-olhar-nao-e-ver

Marcelo Salvador

Formado em design gráfico, Marcelo descobriu o gosto pela fotografia trabalhando como editor de arte na revista Vogue. O que era hobbie virou paixão e, desde então, Marcelo anda sempre com uma câmera em mãos, registrando momentos, lugares e pessoas. Autodidata, divide aqui seus cliques pessoais preferidos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *